About

Popular Posts

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Cerveja faz bem para a Saúde, dizem cientistas

Cerveja faz bem para a Saúde, dizem cientistas


Cientistas canadenses e americanos acreditam que a cerveja faz bem para a visão e pode ajudar a evitar o aparecimento de doenças como a catarata.
Segundo eles, as cervejas contém altos índices de enzimas antioxidantes que, além de melhorar a visão, também podem prevenir doenças cardíacas e fazer bem para os diabéticos.
Mas os pesquisadores advertem que isso não é desculpa para exagerar na cerveja. Eles recomendam tomar uma dose de cerveja por dia para aproveitar os benefícios que a bebida pode trazer para a saúde.
As cervejas que mais contêm antioxidantes são as do tipo Ale e Stout, muito consumidas na Grã-Bretanha e outros países europeus. No Brasil, as cervejas mais populares são as Pilsen.
Cientistas canadenses e americanos acreditam que a cerveja faz bem para a visão e pode ajudar a evitar o aparecimento de doenças como a catarata.

Arteriosclerose

As propriedades da cerveja que fazem bem à visão foram identificadas após a realização de testes com ratos.
Os cientistas concluíram que as enzimas antioxidantes evitam o surgimento de lesões nos olhos que no futuro podem levar à catarata.
Os Estados Unidos gastam US$ 4 bilhões por ano para pagar operações de tratamento de catarata.
Em outro estudo, pesquisadores da Pensilvânia suspeitam que a cerveja pode ajudar a reduzir em até 50% as ocorrências de arteriosclerose.
Eles deram cerveja para hamsters e observaram que a chance de desenvolver a doença caiu consideravelmente.
Mas os antioxidantes responsáveis pelo fenômeno também podem ser encontrados em outras bebidas como o chá e o suco de uva.

CERVEJA faz bem à SAÚDE

Um abismo silencioso parece dividir comunidade médica quando o assunto é álcool. De um lado, a maioria dos médicos do planeta se desdobra para combater o alcoolismo, mal que, segundo o Conselho Internacional de Álcool e Adição, afeta mundialmente 140 milhões de pessoas.
De outro, um grupo mais modesto, cada vez mais se interessa em estudar os benefícios do consumo moderado de cerveja para a saúde. Incentivados pela Associação de Cervejeiros da Europa, médicos de distintas especialidades e regiões se reúnem, desde 1999, há cada dois anos para apresentar estudos e novidades sobre o assunto.

A terceira edição do evento, o Beer and Health Simposyum (Simpósio de Cerveja e Saúde), aconteceu em outubro em Bruxelas, na Bélgica, e apresentou benefícios para a saúde capazes de fazer até os abstêmios mais convictos tremerem diante de uma cerveja gelada.
Cruzamentos de estudos epidemiográficos anteriores foram analisados pelos especialistas do simpósio e mostraram que pessoas que consomem de uma a quatro doses diárias de cerveja têm menos chances de desenvolver uma série de patologias. Entre elas, a diabete tipo 2 (aquela adquirida na vida adulta), a osteoporose (mal que enfraquece os ossos) e doenças cardiovasculares, como arteriosclerose, isquemias cerebrais e derrames.

Isso porque o álcool “afina” o sangue e aumenta o HDL (o bom colesterol) e diminui o mal (LDL). A dose ideal, entretanto, varia de pessoa para pessoa, mas os defensores dos benefícios da cerveja aconselham até duas latas da bebida para mulheres e até quatro para os homens. “Isso porque o organismo feminino é mais suscetível aos efeitos do álcool do que o masculino”, explicou o cardiologista alemão Ulrich Keil.
O trabalho apresentado pelo especialista da Universidade de Münster mostrou que quanto menor o consumo de álcool nos países europeus maior a incidência de doenças coronárias.
E mais: o consumo de até 30 gramas de álcool por dia (aproximadamente quatro latinhas de cerveja) reduz em até 25% as chances de desenvolver doenças cardíacas.

O estudo apresentado pelo endocrinologista Ivo de Leeuw, chefe do departamento de diabetologia da Universidade da Antuérpia, na Bélgica, traz boas novas para os portadores de diabete tipo 2. Além de a incidência da doença ser 36% menor em pessoas que fazem uso moderado da cerveja, a bebida não precisa mais estar na lista dos alimentos proibidos. “A combinação do lúpulo com o álcool, ainda não se sabe ao certo por que, ajuda a regularizar a produção de insulina no organismo, e com isso mantém as taxas de glicose mais sob controle”, disse.

Outra grande novidade do 3rd Beer and Health Simposyum foi o trabalho apresentado pelo ortopedista inglês Jonathan Powell, do King’s College. “Pessoas com histórico familiar de perda de massa óssea, a chamada osteoporose, devem pensar em substituir todas as bebidas alcoólicas por cerveja”, disse o especialista. Isso porque o etanol, presente no álcool, afeta a saúde dos ossos. A cerveja, por sua vez, além de ter as menores porcentagens etílicas, possui silício em sua fórmula. A substância, um mineral presente no solo, está tanto na água quanto no malte que vão dar origem à cerveja, e é tão importante para a saúde óssea quanto o zinco e o cálcio.

BEBER CERVEJA REDUZ O RISCO DE MAL DE PARKINSON

O mais tardar desde a tocante aparição da legenda do boxe Muhammad Ali, a doença de Parkinson possui para a maioria de nós um rosto. Apesar de pesquisa intensa, ainda não foi esclarecido de como podemos nos proteger contra esta doença dos nervos.
Cientistas dos Estados Unidos descobriram agora uma nova pista para mais pesquisas. A equipe do Dr. Hernan, da Harvard School of Public Health em Boston, descobriu que quem bebe cerveja moderadamente, possui um risco 30% menor de contrair Parkinson, do que pessoas que nunca bebem cerveja.
Também ao beber cerveja sem álcool se reduz o risco do Mal de Parkinson, o que não acontece com bebedores de vinho e bebidas destiladas. O estudo conclui que o álcool não tem importância neste efeito. Muito antes parecem ser os saudáveis componentes da cerveja, que atuam de modo favorável nos nervos e cérebro.
Para a sua pesquisa, os cientistas avaliaram os dados de dois grandes estudos americanos. O "Nurses Health Study" e o "Health Professionals‘ Follow-up Study" entrevistaram desde 1976, respectivamente 1986, mais de 170.000 mulheres e homens regularmente a cada dois anos sobre seu estado de saúde e seu modo de vida.

A cerveja do “happy-hour” reduz o stress



Um copo de cerveja após o expediente pode ajudar a reduzir os sintomas do stress causado pelo trabalho. Este é o resultado de um grande estudo científico da Universidade de Montreal.

Muitas pessoas que trabalham fazem isso certo, intuitivamente: ao voltarem para casa dão uma passada no bar ou usufruem de uma cerveja no jantar, para desligarem e se prepararem para a noite. Agora foi cientificamente provado que esta cerveja após o término do expediente faz bem ao corpo e à alma.

O grupo de pesquisadores sociais que trabalham com Alain Marchand queria saber: existe uma relação entre as exigências no trabalho, consumo de álcool e bem estar psicológico?
Para isto eles entrevistaram mulheres e homens que trabalham, com uma média de idade de 37 anos, sobre sua carga pessoal de trabalho, sintomas de stress e hábitos de consumo de bebidas.
O estudo chegou à conclusão de que pessoas que apresentam um consumo moderado de álcool sofriam menos sob sua carga pessoal de trabalho. Seu stress psicológico relativo ao trabalho se encontrava 25% mais baixo do que o dos abstêmios. Consumidores que bebem em excesso por sua vez sofriam com freqüência 75% mais stress relativo ao trabalho do que os consumidores moderados de álcool.
Os pesquisadores tiraram a seguinte conclusão: “que o consumo moderado de álcool traz uma contribuição positiva para a redução do stress e para a saúde psicológica”.

A cerveja é rica em substâncias vegetais secundárias

Valiosos componentes da cerveja são uma contribuição importante para uma alimentação saudável.
A cerveja é especialmente rica nas chamadas substâncias vegetais secundárias.

Com essas substâncias ativas as plantas se protegem contra influências ambientais nocivas: também o ser humano assimila essas substâncias de origem vegetal ao se alimentar. A Sociedade para Medicina Alimentar e Dietética valoriza essas substâncias como importante proteção contra muitos causadores de doenças no ser humano.
Na cerveja encontram-se inúmeras substâncias vegetais secundárias do lúpulo, que desdobram um espectro completo de ações positivas para o ser humano. As substâncias vegetais secundárias do lúpulo podem – mediante um consumo moderado e sensato de cerveja – dar uma boa contribuição para uma alimentação saudável.
Elas possuem efeito antimicrobiano, enquanto bloqueiam o crescimento de diversos causadores de doenças (polifenóis protegem contra cáries dentárias, ácidos beta previnem contra intoxicações alimentares, lupulona reduz o crescimento da bactéria Helicobacter pylori, que afeta o trato estomacal e intestinal).
Elas são antioxidantes e protegem assim contra os nocivos radicais livres no corpo (polifenóis e flavonóides previnem, por exemplo, contra problemas do coração e circulação, alguns polifenóis amenizam a formação de substâncias cancerígenas).

A cerveja consumida com moderação é especialmente valiosa, pois possui também uma ação contra trombose e inibe infecções (flavonóides colocam em ordem o sistema de coagulação do sangue e reduzem sintomas de infecção).
E por último, o consumo regular - porém moderado - de cerveja, pode também proteger contra o câncer. Atualmente ainda estão em andamento as pesquisas médico-científicas. Diversos flavonóides do lúpulo - por exemplo, xanthohumol – inibiram o crescimento de células cancerosas em uma série de experiências.
“Bebam diariamente um copo de cerveja e viverão mais”. Com essas palavras o médico Prof. Dr. Manfred Walzl resume esses efeitos benéficos do consumo moderado de cerveja. Mas essa recomendação vale realmente apenas para um consumo moderado. E esse consumo fica em torno de 1 litro por dia para os homens e 0,5 litro por dia para as mulheres.

Consumo moderado de álcool pode proteger contra o endurecimento das artérias

Quem bebe álcool moderadamente, faz bem às suas artérias e com isso também ao seu coração. Pois as características anti-inflamatórias do álcool agem evidentemente de modo favorável sobre a saúde das artérias e retardam seu endurecimento.
Este foi o resultado de um estudo divulgado recentemente (*) pelas Universidades de Heidelberg e Ulm.
Os cientistas ao redor dos professores Hoffmeister e König, foram atrás da pergunta “até que ponto a quantidade consumida de álcool influencia diversos indicadores de inflamação”. Indicadores de inflamação são substâncias no sangue, que indicam uma inflamação no corpo. Para isso a equipe examinou o sangue de 478 doadores saudáveis entre 40 e 68 anos de idade. Mais de 80% declararam consumir álcool, na maioria tratava-se de cerveja.

A divisão em quatro grupos diferentes determinou o consumo de álcool: de 0 grama até acima de 40 g de álcool diariamente.
Os resultados são inequívocos: os valores de ambos os grupos com baixo e médio consumo de álcool (até 40 g diariamente, o que corresponde a cerca de 1 litro de cerveja) mostraram-se claramente melhores do que os dos abstêmios.
O estado das artérias é determinante para a saúde do coração. Quem então consome pouca ou moderada quantidade de álcool, vive com um risco reduzido de sofrer um ataque cardíaco.

Quem bebe álcool moderadamente protege seu coração

O consumo moderado de álcool reduz os fatores de risco para doenças do coração e circulatórias. A essa conclusão chegou um estudo publicado recentemente pelo Instituto Robert Koch em Berlim.
A equipe de cientistas de Martina Burger avaliou os resultados das análises de sangue de mais de 7.000 alemães saudáveis, com idades entre 18 e 79 anos.

Os resultados mais importantes: aqueles que bebiam moderadamente tinham substancialmente mais colesterol HDL no sangue do que os abstêmios.
O HDL ou “colesterol bom” protege as paredes dos vasos sanguíneos contra depósitos de gordura. Simultaneamente se reduziam, nos consumidores de álcool, os valores de fibrinogênio, pelo que o risco de obstrução de vasos sanguíneos é reduzido. Redes de fibrina (um tipo de “adesivo da natureza”) podem obstruir vasos sanguíneos e desencadear enfarte do miocárdio ou ataque do coração.
A homocisteína vale como fator de risco adicional para doenças cardio-circulatórias e demência vascular. Esse aminoácido também estava presente no sangue daqueles que bebiam álcool moderadamente, em uma concentração reduzida.

Mas quando os pesquisadores observaram exatamente de que tipo de álcool se tratava, fizeram uma descoberta espantosa: apenas quem bebia cerveja apresentava uma taxa reduzida de homocisteína. Isso poderia estar relacionado às vitaminas do complexo B – principalmente o ácido fólico, um bloqueador natural da homocisteína – que pode ser encontrado em elevada concentração na cerveja.

Congresso Europeu de Cardiologistas confirma que a cerveja possui ação protetora para o coração

Estudos médicos já provaram várias vezes: um consumo moderado de cerveja pode ser uma boa contribuição para a proteção contra um infarto do coração. Esta conhecida ação positiva foi confirmada de maneira impressionante durante Congresso Europeu de Cardiologistas, que aconteceu de 28 de agosto a 1 de setembro 2004 em Munique.
Foi apresentado um estudo canadense (Estudo Interheart), comprovando que a maioria dos infartos do coração pode ser prevista, baseado em nove fatores de risco que podem ser facilmente medidos. Esses fatores são válidos mundialmente e para todos os grupos étnicos.

As oito características nocivas foram: consumo de cigarro, elevados valores para gordura no sangue, pressão alta, diabetes, obesidade, stress, sedentarismo e alimentação inadequada.

A nona característica, ao contrário, foi de natureza positiva: um consumo regular e moderado de álcool foi atestado pelos pesquisadores como sendo uma ação protetora contra infartos. De acordo com o resultado do estudo, a partir da combinação desses nove fatores, podia-se prever mais de 90% da possibilidade de sofrer um infarto.

Com isso o estudo reforça mais uma vez de modo claro: quem consome cerveja moderadamente, pode reduzir e influenciar positivamente o risco pessoal de sofrer um infarto, desde que efetue um trabalho conjunto com o combate direcionado e evitando os demais fatores.
"Bebam diariamente um copo de cerveja e vivam por mais tempo" – com essas palavras o médico de Graz, Prof. Dr. Manfred Walzl, resume os numerosos efeitos benéficos do consumo moderado de cerveja. E essa afirmação é provada mais uma vez pelo Congresso Europeu de Cardiologistas. Mas essa recomendação vale realmente apenas para um consumo moderado. E esse consumo fica em torno de 1 litro por dia para os homens e 0,5 litro por dia para as mulheres.

A cerveja é mais saudável que o vinho

Estudo atesta a ação de proteção da cerveja contra doenças cardiovasculares
Consumidas de modo moderado, as bebidas alcoólicas protegem contra doenças cardiovasculares. Um estudo publicado na revista especializada "American Journal of Clinical Nutrition" comprovou que o consumo moderado de cerveja age de modo mais positivo que o consumo moderado de vinho. Neste estudo os cientistas pesquisaram a relação entre a concentração de homocisteína no sangue dos pesquisados e o consumo de diversas bebidas alcoólicas na população francesa.

Homocisteína é um indicador reconhecido pela medicina para o risco de adoecer de problemas cardiovasculares: se a concentração no sangue for elevada, sobe o risco. Se ao contrário for baixa, o risco de adoecer é menor.
O claro resultado do estudo: o consumo de vinho aumentou a concentração de homocisteína no sangue dos pesquisados, enquanto que o consumo de cerveja não demonstrou esse efeito. Ao contrário, trouxe um efeito redutor. A Sociedade para Medicina da Nutrição e Dietética, de Bad Aachen, Alemanha, atribui esta ação positiva do consumo de cerveja às elevadas concentrações de ácido fólico, vitamina B6 e vitamina B12 na cerveja.
Antes de tudo uma carência de ácido fólico pode contribuir para um nível elevado de homocisteína e com isso aumenta o risco de se sofrer problemas cardiovasculares.
A cerveja é uma fonte muito importante de ácido fólico e com isso um legítimo bloqueador de homocisteína: já um litro de cerveja cobre quase um terço das necessidades diárias de ácido fólico.
Com isso o consumo moderado de cerveja é confirmado mais uma vez como uma contribuição importante para uma alimentação saudável. E esse consumo moderado se encontra em torno de um litro de cerveja por dia para os homens e 0,5 litro de cerveja para as mulheres.

Quanto álcool existe na cerveja?

Meio litro de cerveja tem em média 5% de álcool em volume (isso consta no rótulo da garrafa). Ao dividirmos esse “vol %” pelo fator 0,252, dá-se a quantidade de álcool puro, e com isso, para meio litro de cerveja pilsen ou cerveja de trigo, em torno de 20 g de álcool.
Longos estudos de abrangência mundial comprovaram que um consumo regular (diário) de 20 g de puro álcool para mulheres e 40 g para homens não apresentam inconvenientes para a saúde.
Consequentemente, 0,5 litro de cerveja para as mulheres e 1 litro para os homens não prejudicam a saúde.
Os mais recentes estudos comprovam inclusive, que o consumo regular de 140 g de álcool semanalmente – isso equivale a 3,5 litros de cerveja com 5% de álcool – é a quantidade ideal para reduzir em quase 40% o risco de perda da audição (em função da idade) em altas e baixas freqüências.

O Prof. Dr. Hans Hoffmeister da Universidade Livre de Berlim (Freien Universität Berlin) reforça: “O consumo moderado de cerveja possui uma influência positiva sobre diversos riscos à saúde, principalmente sobre o coração e circulação”.
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário