About

Popular Posts

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Jurubeba & Saude

Jurubeba & Saude

Jurubeba


 Jurubeba



Jurubeba


Jurubeba é uma pequena árvore da família das Solanceae que cresce a 3 metros em altura, podendo chegar a 5 metros, comum no norte de Brasil e outras partes tropicais de América do Sul. Existem dois tipos de Jurubeba: macho e fêmea.
Os usos indígenas de Jurubeba são muito mal documentados, mas seu uso em medicamentos brasileiros foi descrito bastante bem. Jurubeba é listado como uma droga oficial na Pharmacopea brasileira como um produto específico para anemia e para desordens de fígado e digestivas. Em 1965, Dr. G.L. Cruz escreveu que " as raízes, folhas e frutas são usadas como um tônico e descongestionante. Estimula as funções digestivas e reduz a inchação do fígado e baço. É um remédio para hepatites crônicas, febre de intermites, tumores uterinos, e hidropisia "
Solanum é o gênero mais representativo da família Solanaceae e consiste de cerca de 1.500 espécies perenes, arbustos, árvores, e trepadoras, sendo um dos mais numerosos do mundo. Apresenta muitas plantas úteis usadas na alimentação e também muitas plantas infestantes ou daninhas. A maioria das plantas do gênero Solanum contém alcalóides tóxicos. Em algumas espécies de Solanum, certas partes são comestíveis enquanto outras partes da mesma planta são muito venenosas, O melhor exemplo conhecido é a batata (Solanum tuberosum) que tem folhagem e frutos venenosos e tem tubérculos comestíveis (embora estes fiquem venenosos quando se tornam verdes pela exposição prolongada à luz).
Muitas espécies de Solanum são conhecidas como "jurubeba", tal como a Solanum paniculatum.
Solanum paniculatum é uma planta nativa nas Regiões Norte e Nordeste do Brasil, A origem do nome vem do adjetivo latino "paniculatum", paniculado, pelo tipo de inflorescência. Os principais nomes populares são: Jurubeba, Jurubeba-verdadeira, Jupeba, Juribeba, Jurupeba, Gerobeba e Joá-manso. O nome vulgar deriva do tupi "yú", espinho, e "peba", chato.
Os componentes ativos da jurubeba foram documentados na década de 60 quando pesquisadores alemães descobriram novos esteróides, saponinas, glicosídeos e alcalóides nas raízes, caule e folhas. Os alcalóides foram encontrados em maior abundância nas raízes, enquanto que nas folhas encontram-se as maiores concentrações de glicosídeos.
Esses compostos também tem algum efeito tóxico, de modo que não se recomenda a ingestão freqüente de preparações de jurubeba.
As propriedades farmacológicas documentadas desde a década de 40 incluem o uso para estômago, febres, diurético e tônico. Estudos em animais indicaram que extratos da planta em água ou álcool foram eficazes em reduzir a pressão sanguínea enquanto aumentando a respiração em gatos, evidenciando uma ação estimulante no coração.
A solanum fastigiatum conhecida como jurubeba do sul é uma planta nativa na Região Sul do Brasil, ocorrendo também nos países da Bacia do Prata. Comum no Rio Grande do Sul, especialmente na Depressão Central; presente também em outros estados sulinos. A origem do nome vem do adjetivo latino "fastigiatum", "que termina em ponta", motivado pelos ramos fasciculados da inflorescência, que apresentam frutos em suas pontas. Os nomes populares são: Jurubeba, Jurubeba-do-sul, Jurubeba-velame, Velame.
Essa planta é bastante parecida com diversas outras, que também são conhecidas pelo nome vulgar de jurubeba e é usada na farmacopéia popular, com as mesmas indicações da verdadeira jurubeba, Solanum paniculatum.
Como existem preparações comerciais a base de jurubeba, é comum que as firmas que as apresentam recebam material de plantas parecidas, inclusive de Solanum fastigiatum. A ingestão de partes da planta tem causado patologias em bovinos. A ocorrência maior tem sido em épocas de carência de forragem e os animais precisam ingerir a planta por um período prolongado.
Estudos feitos na Faculdade de Veterinária da Universidade Federal de Pelotas (1985 e 1987) indicam que a sintomatologia é relacionada com disfunção cerebelar, com crises periódicas do tipo de epilepsia, que duram de alguns segundos a um minuto e são desencadeadas geralmente quando os animais são movimentados ou excitados. Há perda de equilíbrio e quedas, ficando os animais em decúbito dorsal ou lateral, com tremores musculares. Após as crises, os animais aparentam normalidade, mas alguns estendem o pescoço numa atitude de "olhar estrelas" e buscam maior apoio com extensão dos membros anteriores. Em geral não ocorre mortalidade diretamente relacionada com o problema, mas com as quedas podem haver fraturas. A patologia se torna crônica e a regressão clínica é rara.
A solanum asperolanatum conhecida como jupeba é uma planta arbórea perene, com até 3 a 4m de altura, reproduzida por semente, nativa na América Tropical, com ocorrência esparsa no Brasil, geralmente confundida com outras espécies. A origem do nome vem do latim "asperu", áspero, e "lana", lã. Recebe os seguintes nomes populares: Jurubeba, Jupeba. A planta é parecida com outras espécies de "Jurubebas", pelo aspecto geral e pelos frutos.
Distingue-se de Solanum paniculatum pelo posicionamento das inflorescências e pelas flores brancas. Plantas novas podem ser confundidas com Solanum variabile, pois em ambas as espécies ocorrem pêlos ferrugíneos. É usada na farmacopéia popular, com as mesmas indicações da verdadeira jurubeba, Solanum paniculatum, e também nas preparações comerciais a base de jurubeba que são preparadas indistintamente com várias espécies de Solanum.
A solanum variabile, conhecida como jurubeba falsa é uma planta nativa na Região Meridional do Brasil e regiões limítrofes dos outros países. No Brasil é relatada a ocorrência de Minas Gerais ao Rio Grande do Sul, com maior intensidade na Região Sul, sendo muito freqüente nos estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina com grande ocorrência nas beiras de estradas. A origem do nome vem do adjetivo latino "variabile", variável, pela grande variabilidade na planta em geral, particularmente no formato das folhas e no tipo de pêlos. Os principais nomes vulgares são: Velame, Jurubeba-velame, Velame-de-capoeira, Jurubeba-falsa, Juveva, Jupicanga.
Fonte: www.inova.unicamp.br
Jurubeba
Jurubeba

Nome Popular

Jurubeba, Juripeba, Jupeba, Juuna, Jurumbeba

Principais Substâncias

Alcalóides (solamina, solanidina, solasodina), saponinas, esteroides nitrogenados (paniculina, jurubina), agliconas (isojurubibina, isopaniculidina, isojurupidina e jurubidina), ácidos graxos, ácidos orgânicos, glicosídeos (paniculoninas A e B), mucilagens, resinas (juribina e jurubepina), princípios amargos.

Nome Cientifico

Solanum paniculatum

Caracteristicas

Apresentam muitas vezes espinhos nos caules e nas folhas. As flores podem ser roxa ou albas os frutos são pequenas esferas verdes.

Utilidades

Indicada para os casos de problemas no figado, e como diurética. As folhas são empregadas como cicatrizante para pele. Tônico para músculos, nervos, cérebro, aparelho digestivo. Abcesso, doenças do baço, colecistite, cólica hepática, tumores.

Forma de Uso

Flores, Folhas e frutos. Raizes em alguns casos.




Solanum paniculatum
Partes usadas: Toda a planta.
Família: Solanaceae.
Características: Árbusto de folhas lobadas, frutos amarelados e globosos. Atinge de 3 a a 5 metros de altura, comum no norte de Brasil e outras partes tropicais de América do Sul.
Dicas de Cultivo: Adapta-se aos solos leves e arenosos. Propaga-se por sementes na estação das chuvas.
Outros Nomes: jurubebinha, juvena, jubeba, jupeba, juribeba.
Princípio ativo: Alcaloides, vitaminas, saponinas e resinas, dentre outros.
Propriedades: Descongestionante, febrifuga, diurética, cicatrizante, antidiabética, tônica, digestiva, aperiente, laxante.
Indicações: Combate diabetes mellitus, febres, gripes, afecções hepáticas, bronquites e outras doenças do aparelho respiratório. Seu uso externo combate hemorróidas.
Fonte: www.cantoverde.org
Jurubeba
A jurubeba (Solanum paniculatum L) é uma planta medicinal de sabor amargo, comum em quase todo o Brasil.
A infusão do seu caule e da sua raiz em álcool de cana (cachaça) é popularmente utilizada como aperitivo e como digestivo.
A medicina popular recomenda o seu chá como tônico cardiovascular, estimulante do apetite, do fígado (colagogo) e do baço, contra problemas da digestão, diurética, hipoglicemiante, antianêmica, febrífuga e cicatrizante.
Há casos de utilizações da Jurubeba em tratamento de afecções da pele, como a acne.

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário